14.9.04

Masturbação mental

“ Escolhi as montanhas. Verde por todo lado. Comprei um chapéu de palha com fitas vermelhas. Calça larga, camiseta justa. Ousei um casaco de griffie mineira. Estourei o orçamento do mês, eu acho. Passeio entre praças. Ar calmo. Sem buzinas. Fiz planos. Desfiz todos. Pensei em escrever um romance. Desisti logo em seguida – ando avessa ao final feliz. Comi frutas. Assisti pinheiros dançando maliciosamente. Mergulhei na piscina gelada. Senti saudade desse e daquele. Fiquei em baixo d’água por longos 11 segundos. Deixei o sol secar as covinhas do meu bumbum. Neguei um convite para jantar. Banho. Pelada no quarto. Calcinha, creme e ar condicionado. Vestido preto e chinelo no pé. Mario Prata, um prato delicioso, não?
DECRETO: DIA DE MASTURBAÇÃO MENTAL.
Às vezes, é preciso ouvi saudade, medos e barulho d’água no cabelo. Vez em quando, me faço companhia, e acho graça quando encontro tanto silêncio aqui dentro.
Quando foi a última vez que se tocou sem medo?”

Um comentário:

Martha O. de Barros disse...

Ô, Raquel, seja benvinda! Quase pude sentir o cheiro dos eucaliptos no teu texto... Ainda bem que você veio nos trazer este "silêncio aqui dentro", porque a gente andava entre mendigos e chechênias, num barulho louco.