9.12.05

Meninas, parem! (Raquel, continue!)

Eu não entro neste bate boca,
e pra mim a beleza continua por toda parte.
É ter olhos e alma pra vê-la.
Aqui em frente tem um parquinho,
e Julinho – 3 anos –
continua descobrindo o mundo.
Nem aí pra crise.
Eu também.
É isso.
Beleza, só pra quem veste olhos (e, pra música, ouvidos) de criança.
Fred

Retomando

É sempre um prazer ler a Raquel. Quando perguntei ao faxineiro quem era, ele me respondeu que é a campeã dos textos da Tribo: ninguém recebe mais comentários do que ela.

Já Martha muda de assunto, mas não deixa de aperrear. Eu não sou cega, vejo tudo direitinho. Pra mim podridão é esta conspiração conservadora contra as forças progressistas.
Lamento também a ausência do Livro da Tribo neste ano. Espero que nós leitores continuemos a contribuir não só com beleza, mas com a crítica e a lucidez necessárias em tempos tão turbulentos.

Jane

Instinto

Trabalho, supermercado, imobiliária e retrato.
Tem pose certa. Decote pequeno. Calcinha de algodão. Pouco joelho no colchão.
Horário controlado. Trânsito. Teatro. Sem filho. Nem contraceptivos.
Cabelo escovado. Tailleur comportado. Música erudita. Literatura russa.
Frase curta. Pouca pontuação. Muito obrigado, volte sempre, seja bem vindo.
Sobram regras. Falta instinto.

6.12.05

Chega Disso

Não falo mais de corrupção e de governo. Meu negócio é beleza. Cansei de me desgastar com as pessoas queridas, que insistem em não ver a podridão.
Então, deixemos a podridão de lado. O Faxineiro deve ter avisado que a Tribo está fora do ar este ano, certo? Não gostei. O Brasil já está feio o suficiente, imagine então sem poesia.
Portanto convido os amigos amantes das belas letras a produzirem e enviarem seu material pro pessoal da Editora. Caprichem, enviem logo.
Estamos precisando desesperadamente de luz e de alegria.
Martha



chega de feiura