8.8.04

Ciência e Sociedade


No começo, achei o "faxineiro" deste sítio, o tal Décio, preconceituoso e burguês. O perfil que ele fez para mim e para os outros fala mais dele do que de nós.
Agora acho que seu último comentário foi muito procedente. Não quero prolongar esta conversa porque sei que para a maioria dos membros deste blogue é mais estimulante falar de coisas pessoais. Mas o assunto é altamente político, e preciso tomar partido aqui.
As ciências humanas desenvolvem conceitos e definições, é a sua função. Precisam defini-los e mostrar sua utilidade para o estudo da sociedade. Mas cabe uma pergunta. Estes cientistas não desenvolvem um vocabulário muito hermético? Não se estimulam uns aos outros através desta linguagem cifrada? Não excluem com isso as pessoas que deveriam beneficiar-se deste conhecimento?
E uma direta pra você Pedro. Não é possível que você não saiba do que eu estou falando. Existe ou não existe esta sofisticação desnecessária e pedante?

2 comentários:

Pedro Teles disse...

Não quero ficar citando fontes, mas acredite, Jane, que esta preocupação é presente dentro da Academia. Mais de um pesquisador debruçou-se sobre os problemas do hermetismo acadêmico.
Eu lhe convido a pensar em outros termos, para além desta vontade de poder que um ou outro acadêmico possa trair em suas preleções. Pense um momento na poesia: ela é um conhecimento da alma e da sensibilidade. Produzir um poema é descortinar um mundo de emoção. No entanto, nem todas as pessoas gostam de poesia ou conseguem entendê-la.
Sendo assim, convido-a, sem deixar de reconhecer a procedência de seu questionamento, a considerar que a sabedoria sociológica também está sujeita a estas idiossincrasias. Também ela não apetecerá a qualquer leitor, seja na forma ou seja no conteúdo. Ela também dependerá, como a poesia, de olhos e mentes bem abertas para a prospecção do que nos passa desapercebido por parecer comum demais, do que é indizível porque jamais enunciado.

Pati disse...

Ah, guris...acho o assunto importante mas deixo pra vocês elaborarem. Como tanta coisa - aluguel, condomínio, sexo seguro - é importante e chato. E já tá quase tudo dito.